Receita de feijoada de preguiçosa

Feijoada é um prato que eu adoro, mas tenho de admitir que o preparo dava trabalho até eu descobrir uma receita de feijoada mais descomplicada.

Receita de feijoada

Este post não é recomendado para os amantes da comida natural feita quase que 100% em casa. A receita de feijoada de preguiçosa leva mais ingredientes ultraprocessados do que a habitual. leia mais

Como fazer casca de laranja cristalizada

como fazer casca de laranja cristalizadaAprenda como fazer casca de laranja cristalizada em casa e sentir muito orgulho da sua conquista na cozinha

Há tempos que venho saber como fazer casca de laranja cristalizada para evitar o desperdício porque tenho muita dó de jogar casca de laranja fora, sabendo que é possível aproveitá-la.

Fico ainda mais chateada porque eu amo casca de laranja cristalizada, já tentei fazer duas ou três vezes e não deu certo.

Mas não desisti e achei a receita da Helena Gasparetto. Era uma receita cheia de detalhes, um tanto trabalhosa, mas não era difícil. E como eu já fiz algumas receitas da Helena que deram muito certo e ficaram muito gostosas, decidi arriscar mesmo sabendo que a teria de ter paciência de dedicação. leia mais

Sobremesa para Páscoa: Pastiera de grano

Sobremesa de Páscoa - pastiera de granoEstá buscando uma sobremesa de Páscoa diferentona? Sugiro a pastiera di grano. Ela é uma torta tradicionalíssima de ricota, grão de trigo e especiarias da região de Nápoles, na Itália, servida no domingo de Páscoa.
A chef Bete Carneiro, professora de gastronomia no Centro Universitário Anhanguera (unidade Santo André), explica que essa torta, de recheio delicioso e delicado, conquistou o mundo também pelo simbolismo que ela carrega:

A cor branca da farinha simboliza piedade; os grãos de trigo lembram a germinação da terra e o poder da natureza; ovo está associado ao mistério da existência e do renascimento; o açúcar representa a doçura do amor e as especiarias, os perfumes da primavera (estação da Páscoa na Europa). leia mais

Compota de figos maduros na casa dos anti-figos

compota de figos madurosFiz uma receita de compota de figos maduros. A fruta já estava na antessala do bolor e do azedume, mas, desta vez, consegui salvar sete figos.

Porque, normalmente, acontece de dois ou três acabarem indo para a lixeira. Isso ocorre porque ninguém nesta casa gosta de figo a não ser eu.

Figos são frutas que estragam rápido. Duram pouco. Em São Paulo, são vendidos em bandejas com oito unidades. Em uma casa, onde somente uma pessoa gosta, é normal que acabe apodrecendo.

Determinada na missão de salvar as frutas antes da chegada do bolor, recorri a um dos métodos mais antigos de conserva: a compota. leia mais

Uma receita de mac&cheese para o coração de mãe

Receita de mac&cheeseCoração de mãe é um órgão diferente. Mesmo tendo os tradicionais 340 gramas de peso, dois átrios e dois ventrículos, bata cerca de 80 vezes por minuto e bombeie mais de 9 mil litros de sangue* por dia como o coração masculino, coração de mãe é diferente.

Ele sente.

Sente tanto que esse sentir fecha a traqueia, embrulha o estômago, aperta as costelas, espreme água que sai pelos olhos em forma de lágrimas.

Coração de mãe dói sem estar enfartando.

Dói de felicidade. Dói de tristeza. Dói de angústia. Dói de ansiedade. Dói de amor. Dói de saudade, seja dos tempos que o filho era bebê, mas mora com você, seja porque ele não é mais bebê e mora em outro continente. leia mais

Receita de pastelão de forno com requeijão e peru

Receita de Pastelão de forno com requeijão

Recorri a uma receita de pastelão de forno para salvar os últimos representantes do peru do Natal passado.

Pois é! Demorei um tempinho para zerar as sobras. Tivemos de dar um tempo nos ingredientes com cara de Natal e de Ano Novo porque ninguém aguentava mais esses sabores. Só que a travessa com as carnes assadas estava ocupando espaço no freezer.

O que fazer com os pedaços de coxas, sobrecoxas, asas do peru assado às vésperas da Noite Feliz?

Lembrei de uma sugestão que li da blogosfera gastronômica (não lembro onde) de um pastelão de forno feito na forma de galette, ou seja, aberto. Aproveitei o formato e elaborei um recheio com requeijão, cream cheese e algumas ervas. leia mais

Deliciosa papinha doce de frutas: manga e pera

Uma das comidinhas que os bebês costumam aceitar com mais facilidade são as papinhas doces de frutas. Os médicos dizem que isso acontece porque o paladar humano é mais amigável ao sabor doce. Tanto é assim que os pediatras indicam começar a introdução dos alimentos sólidos pelas frutas, seja na forma de suco, seja na forma de papinha.

Papinha doce de manga com pera
Papinha doce fica com pedacinhos.

Deixo aqui uma sugestão de sobremesa para o bebê e também para a família: papinha doce de frutas manga com pera.

Fiz dia desses para aproveitar frutas que estavam lindas, mas impossíveis de serem comidas in natura. A pera estava doce, porém dura tal qual maçã. As mangas estavam 1) doce mas um tanto passada e a 2) um pouco verde. Não tive dúvidas, coloquei as mangas no fogo com um pouquinho de água filtrada e deixei ferver até desmanchar. Acrescentei as peras em pedacinhos e deixei cozinhar mais um pouco.  Ficou maravilhoso. Não precisou de açúcar. Para os bebês sem dentes e que estão começando na introdução de alimentos recomendo bater a papinha no triturador para tirar os pedacinhos. Mas, se usar pera molinha, nem precisa recorrer ao eletrodoméstico. leia mais

Receita de mini quibes fáceis

miniquibes

Um dos pratos preferidos dos meninos são os mini quibes do livro de receitas que mais faz sucesso entre os garotinhos dessa casa, o Receitas de Herói (Editora Melhoramentos), que ali são chamados de Quibinhos do Gênio, em referência ao Gênio do desenho Aladin. Essa semana fiz mini quibes com acém moído, ao invés de patinho. Ficou tão bom quanto. A vantagem é que acém é mais barato. Ou seja, uma ótima opção em tempos de orçamento apertado. 

Sobre o livro Receitas de Herói

As receitas, entre elas as dos mini quibes, foram elaboradas pelo chef Allan Vila Espejo, que é pai de quatro filhos. São práticas, rápidas, saborosas e dão cara nova a ingredientes comuns. Tem a Omelete do Zezé, o filho caçula da Família Incrível, as Minipizzas do Flecha Incrível, ou o Peixe Especial, do Alladin. Tem ainda receitas de macarrão, tortas, lanches e sobremesas. Tem ainda as receitas dos vilões, os malvadões, Capitão Gancho, Hades, estão todos lá. Os meninos adoram quase todas, inclusive os Quibinhos do Gênio. Você nem precisa se vestir deMulher Maravilha para enfrentar o fogão de tão fáceis que são as receitas do livro, mas leve os pequenos heróis para a cozinha, afinal eles têm de ajudar na tarefa de preparar um prato gostoso para se alimentar bem e poder salvar o planeta. leia mais

Sugestão de prato para o almoço: folhado com recheios variados

Na semana passada, vi um post no Donas de Casas Anônimas com uma receita de folhado de queijo com geleia. Adorei a ideia. Alterei a sugestão de recheio usando sobras que tinha na geladeira, servi acompanhado de uma grande salada de folhas verdes. Foi o maior sucesso. Foi rápido e super fácil. O bacana na massa folhada é a possibilidade de variar o recheio usando tanto salgado quanto doce. Usei uma massa folhada da marca Massa Leve. Nunca tinha visto antes. Ela é muito prática, pois já vem cortada e com dez unidades. Eu achei no supermercado Assaí. leia mais

A maternidade solitária e uma receita de macarrão muito fácil

maternidade solitária
A maternidade, por Pablo Picasso

Eu tinha me preparado para escrever sobre algo relacionado à comida, aos filhos, ao paladar, mas ao ler um texto sobre maternidade solitária em um dos meus blogs preferidos mudei o foco. A autora fala com muita clareza sobre o medo que ela tem em trocar figurinhas e compartilhar dúvidas com outras mães virtuais por acreditar que a maternidade do século 21 virou uma competição louca entre quem está certa e quem está errada.

Não sei se virou. Acredito que ela sempre foi um período de competição, pois as mulheres são competitivas, além de apaixonadas e viscerais.  Dá para imaginar a versão masculina de Mulheres à beira de um ataque de nervos? Não. O filme de Pedro Almodóvar só deu certo porque nós somos as protagonistas, competitivas, viscerais, dramáticas. (Se você ainda não assistiu, recomendo fortemente que assista!) leia mais