Alergia alimentar parte 3: sobre responsabilidade e consciência

Dois momentos das palestras sobre alergia alimentar me surpreenderam.

O primeiro foi quando a dra. Renata Ruocco, pediatra alergista da Unifesp e do Einstein, explicou que nem sempre o organismo vai provocar uma reação exacerbada no primeiro contato com alimento. Mas esse primeiro contato sempre vai sensibilizar o organismo, que estará atento e numa segunda oportunidade bummmm!

Ela exemplificou esse primeiro contato de sensibilização com o que chamou de “mamadeira assassina”:

O recém-nascido, sabe-se lá por qual motivo, recebe no berçário da maternidade uma mamadeira com fórmula de leite de vaca. Ninguém na maternidade pergunta para a mãe se alguém da família do bebê é alérgica ou se a família autoriza dar o leite. Aliás, enfermeiras e médicos sequer nos avisam que dão leite aos nossos filhos. leia mais

Bolo de chocolate sem ovo, leite e soja

Receita de bolo de chocolate sem ovo, sem leite, sem soja

A receita do bolo de chocolate sem ovo, leite e soja, mas tem farinha de trigo e coco, portanto, tem glúten. Comi esse bolo no evento da Nestlé sobre alergia alimentar. Gostei muito. Em geral, bolos sem leite ou ovos são secos, sem liga e de sabor sofrível. Este não. Tem consistência macia, é úmido e saboroso. Dá tranquilamente para servir em uma festa de aniversário, coberto com coco ralado e confeitos coloridos feitos de açúcar e corante (mas é importante ler o rótulo). Essa receita rende 25 porções, o que pode dar para uma festinha infantil, e o tempo é de preparo 40 minutos, tempo normal de preparo de qualquer bolo. leia mais

Alergia alimentar – parte 1

Eu já sabia que a alergia alimentar é uma encrenca porque meu Miguel foi um bebê suspeito de ter alergia à proteína do leite de vaca. Passados 6 anos do possível diagnóstico ainda lembro da loucura daqueles tempos. Está fresquinho na minha memória o dia em que brinquei com o pediatra, dizendo que éramos sócios da clínica dele, pois levava o garoto para consulta a cada 15 dias. Às vezes, quando os sintomas apertavam era consulta toda semana. (O pediatra deles não aceita plano de saúde. Então, éramos quase sócios da clínica naqueles tempos). leia mais