Semana mundial do aleitamento materno

Todo 1 de agosto é comemorado  o Dia Mundial do Aleitamento Materno.  Ele foi criado em 1º de agosto de 1992  pela Aliança Mundial de Ação pró-Amamentação (World Alliance for Breastfeeding Action – WABA)  com o objetivo de combater a desnutrição infantil, promover a amamentação natural e possibilitar a criação de bancos de leite para crianças que não têm condições de serem amamentadas por suas mães.

Aqui, no Comer para Crescer, a gente apoia, incentiva e empodera as mães para que amamentem os filhos exclusivamente até os 6 meses e depois até os 2 anos. leia mais

Ser contra o aleitamento materno?!

Amamentação por Pablo Picasso

Eu nem queria entrar nesse assunto das proibições ridículas de aleitamento materno, mas o post de hoje da querida Liliane Ferrari, me inspirou a dizer uma coisa: tem gente muito estranha nesse mundo, mas ocupa o topo da lista o povo que tem problemas com o próprio corpo e acha uma visão dos infernos (ou um jeito tucano de dizer isso: uma cena constrangedora) um seio materno pra fora da roupa e um filho pendurado nele.

Ok, não somos índias. Mas será que não está  passando da hora de relaxar quando o assunto é amamentação em público? leia mais

Leite materno é afetado pela alimentação da mãe

Sempre desconfiei que o leite materno sofre influências das substâncias ingeridas pela mãe. Nunca engoli muito a história de que podemos comer de tudo, desde que moderamente, durante o período que amamentamos.  Que podemos comer feijão, chocolate, beber café entre outros alimentos porque eles não provocam cólicas nos bebês. O que causa os doloridos espasmos é o natural movimento da flora, do intestino e por aí vai. Ok, até concordo com a explicação, mas a minha desconfiança ganhou mais ares de certeza quando Miguel passou a sofrer com a suspeita de ser alérgico à proteína do leite de vaca e eu é que tive de entrar numa dieta livre de alimentos lácteos. leia mais

Aleitamento materno e baixo peso

Você sabia que:

“Se o bebê mamar sempre só o leite anterior (aquele que vem nos primeiros minutos da descida do leite), rico em lactose, um açúcar natural presente no alimento, pode ter muitas cólicas e baixo ganho de peso”.

A afirmação é da nutricionista e consultora Valderez Aragão, do Consultório de Aleitamento Materno (Calma), em Salvador. E a informação (copiada quase que integralmente) está no Bebe.Com.

beijos
Patricia

Crédito da imagem: http://blogs.urbanbaby.com/buzz/files/2009/07/breastfeeding.jpg leia mais

Mais um ponto para o aleitamento materno

Antes que alguém diga “Ih, lá vem a chata da Patricia e sua defesa pelo aleitamento materno”, quero dizer que eu ia falar de leite, mas para os maiores. Nem tinha pensado em fazer post sobre o leite dos peitos.

Mas cá estava eu, quietinha, navegando por esse mundão virtual de meu Deus, procurando informações para um trabalho sobre anemia ferropriva, ferro e afins, quando… pum! me deparei com isso: “O leite também é outro interessante exemplo de biodisponibilidade, pois o materno e o de vaca apresentam-se com praticamente o mesmo teor de ferro, porém o materno mostra-se com alta absorção e o de vaca, em função dos teores de sais de cálcio e fósforo, com baixa biodisponibilidade”. leia mais