Os mistérios da cozinha e uma receita de macarrão alfredo fácil

Macarrão AlfredoA cozinha tem muitos mistérios, principalmente, para pessoas como eu, que não têm lá tanta intimidade com esse ambiente. Existem tantas possibilidades que podem ser feitas ali naquele canto da casa, inclusive cozinhar ovo na máquina de lavar louça (que loucura!) ou conseguir fazer uma deliciosa massa em rápidos 30 minutos, caso receita de macarrão alfredo.

Esse universo às vezes assusta e talvez até canse só de imaginar nos infinitos ingredientes, nas mais diversas temperaturas que se pode cozinhar uma carne, na variedade de quantidades – de gramas a quilos passando por litros, colher de chá, de café-, sem falar nos cortes de carne (pra quê tantos, né?!) e o que dizer da massa que uma hora é podre e na outra fresca, uma hora tem ovos e na outra, não.

E o creme de leite? Você acha que tem apenas o de latinha ou o de caixinha? Ninguém te falou sobre o fresco com gosto azedinho ou sobre a nata ou ainda sobre a nata light?

E os temperos? Uma infinidade. Fresco, seco. O que dizer dos vinagres:  de vinho branco, de vinho vermelho, balsâmico, de limão, de maçã, de arroz? O céu é limite na hora de cozinhar esse carboidrato tão querido de nossos filhos

Se na minha infância, adolescência e início da vida adulta fiquei distante desse universo, na maternidade tive de me aproximar para o meu próprio bem e o dos meus filhos. Estou encantada com tantos mistérios que podem ser desvendados e que sou capaz de desvendá-los.

Acho incrível poder acrescentar sal no chocolate, vinho na carne, açúcar no vinagre, limão no leite.

De tanto ler receita e assistir programas de culinária fui descobrindo alguns detalhes da cozinha que passei a considerar importantes.

São eles:

1) Existem ingredientes salvadores (ou seja: podem mudar e incrementar qq receita). Para mim, são eles: ovos, farinha de trigo, extrato de tomate e temperos variados frescos ou secos. Tê-los na dispensa tem sido bem bom.

2) Ter uma boa panela é tudo nessa vida, minha gente. Um investimento que vale a pena. Se for antiiaderente, melhor. Se ela puder ser levada ao forno, você terá como variar muitas receitas, principalmente ensopados com carne vermelha. Nada pior do que aquela panela de alumínio que a comida gruda no fundo. Not!

3) Ter alguns bons livros de receita à mão -e não no baú láááá no sótão- salvam almoços e jantares, nos incentivam a ir para o fogão, quebram a rotina das mesmas comidas e nos inspiram a sentar e elaborar cardápios.

4) Uma boa faca e um bom afiador mudam cortes de carnes. Nem imaginava que essas ferramentas poderiam mudar uma receita.

O resto a gente se vira. Acostuma, aprende, joga fora o que deu errado, testa de novo e assim vamos desvendando os mistérios da culinária e cozinhando em casa para a família e deixando de lado uma porção de ingredientes industrializados dispensáveis, como o glutamato monossódico!

E deixo uma receitinha delicinha (pelo menos para a gente aqui em casa) para  fechar a semana: macarrão alfredo, um dos preferidos dos meninos aqui em casa.

Aviso importante: Não é recomendado para mães em dieta. Definitivamente, not! E como diz o editor da revista Saveur: “Inventado em Roma, no início de 1900, pelo restaurateur Alfredo di Lelio, esse macarrão é…literalmente uma das mais fáceis receitas em todo o universo.”

Macarrão Alfredo

Descobri o “macarrão alfredo” quando comprei o livro Panelinha, da Rita Lobo. (Juro que vou fazer campanha para ela ser indicada ao prêmio Nobel da Paz. O didatismo com que ela escreve receita e modo de fazer torna qualquer receita absolutamente possível de ser feita. Ainda estou para conhecer autora brasileira que faça isso!). 

Segue a receita copiada do Panelinha:

Ingredientes

 1/2 pacote /250 g de fettuccine
1 xícara (chá) de creme de leite fresco
2 colheres (sopa) de manteiga
2/3 xícara (chá) de queijo parmesão ralado
sal a gosto
Modo de Preparo
1. Numa panela grande, coloque 3 litros de água e 1 colher (sopa) de sal. Leve ao fogo alto. Quando a água ferver, coloque o macarrão e deixe cozinhar conforme as instruções da embalagem. Cuidado para não deixar o macarrão cozinhar demais, ele deve ficar al dente.
2. Enquanto o macarrão cozinha, comece a preparar o molho. Numa panela, junte a manteiga e o creme de leite fresco e leve ao fogo alto para ferver, mexendo sempre. Sem parar de mexer, deixe cozinhar por 3 minutos. Desligue o fogo e reserve.
3. Com cuidado, despeje o macarrão cozido em um escorredor. A seguir, transfira o fettuccine para 2 pratos individuais. Com uma colher, distribua o molho bem quente sobre o macarrão, misture e polvilhe com o parmesão ralado. Sirva a seguir.

beijos,

Patricia

PS: Experimente acrescentar brócolis cozido no vapor e com uma pitada de sal e pimenta do reino.

 

Post publicado originalmente em março de 2012

8 Comments

Renata Marques

O creme de leite fresco não é fácil encontrar.
Meninas, por acaso vocês tem alguma matéria sobre ensinar crianças a comerem de garfo e faca, algo que oriente sobre a idade indicada, métodos para ensinar? Estava procurando isso na net mas ainda não achei algo explicativo. Se tiverem, please, avisem-me!

Reply
Comer para Crescer

Oi, Renata.
Acho que fizemos um post, há anos luz (kkk), sobre esse assunto. Vou procurar. Se não tiver,a gente faz em sua homenagem.

bjs

Reply
Allan

Por aqui essa receita é chamada “fettucine al triplo burro” e na receita original servida no estaurante “Alfredo alla Scrofa” (o restaurante fica na via Scrofa, em Roma) o creme de leite não entra. Em compensação, a manteiga e o Parmigiano Reggiano são de primeiríssima qualidade. Outras dicas: o sal deve ser colocado quando a água estiver fervendo; a manteiga deve estar à temperatura ambiente e será colocada diretamente no prato (com o macarrão quente e um pouquinho de água do cozimento para derreter); o queijo ralado é colocado sobre a massa e só então tudo é misturado com “energica delicatezza”: http://www.alfredoallascrofa.com/it/ricette-arte-della-cucina-italiana/primi-piatti/16-fettuccine-alfredo

Depois de um primeiro prato desses, o segundo deve ser de carne de sabor suave. E eu acabo de descobrir o que fazer para o almoço.

🙂

Reply
Comer para Crescer

Oi, Allan.
Sabe que também vi essa receita de Alfredo apenas com manteiga e Parmegiano Reggiano e fiquei com muita água na boca. E eu ia adorar almoçar na sua casa. E quak a carne que você fez?
bjs

Reply
Ines Di Lelio

HISTORY OF ALFREDO DI LELIO CREATOR IN 1908 OF “FETTUCCINE ALL’ALFREDO”, NOW SERVED BY HIS NEPHEW INES DI LELIO, AT THE RESTAURANT “IL VERO ALFREDO” IN ROME, PIAZZA AUGUSTO IMPERATORE 30

With reference of your article I have the pleasure to tell you the history of my grandfather Alfredo Di Lelio, who is the creator of “fettuccine all’Alfredo” in 1908 in restaurant run by his mother Angelina in Rome, Piazza Rosa (Piazza disappeared in 1910 following the construction of the Galleria Colonna / Sordi).
Alfredo di Lelio opened the restaurant “Alfredo” in 1914 in Rome (via della scrofa), after leaving the restaurant of his mother Angelina.
In 1943, during the war, Di Lelio sold the restaurant to others outside his family.
In 1950 Alfredo Di Lelio decided to reopen with his son Armando his restaurant in Piazza Augusto Imperatore n.30 “Il Vero Alfredo” (“Alfredo di Roma”), whose fame in the world has been strengthened by his nephew Alfredo and that now managed by his nephew Ines, with the famous “gold cutlery” (fork and spoon gold) donated in 1927 by two well-known American actors Mary Pickford and Douglas Fairbanks (in gratitude for the hospitality).
See also the site of “Il Vero Alfredo” http://www.ilveroalfredo.it, which also contains information on franchising.
I must clarify that other restaurants “Alfredo” in Rome do not belong to the family tradition of “Il Vero Alfredo” in Rome.
I inform you that the restaurant “Il Vero Alfredo” is in the registry of “Historic Shops of Excellence” of the City of Rome Capitale.
Best regards Ines Di Lelio

Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *