Dor de estômago? Mastigar bem a comida combate o problema

dor de estômagoSou uma pessoa que come rápido demais e em quantidade acima da ideal, e essas duas atitudes potencializam a dor de estômago e problemas digestivos, como azia e má digestão.

Um dos problemas, o de comer além do ideal, consegui resolver. Há quase três meses não coloco as travessas com comida na mesa do jantar. A gente prepara o prato na cozinha e vai para a mesa do jantar, na sala, fazer a refeição, evitando assim repetir a refeição pelo simples motivo de ter preguiça de levantar e ir até a cozinha reabastecer o prato.

O outro problema, comer rápido de mais, ainda não consegui resolver. Desconfio que eu seja ansiosa em demasia. Mas, depois da palestra que assisti com a nutricionista e especialista em fitoterapia Vanderlí Marchiori, vice-presidente da Associação Paulista de Fitoterapia, sobre “Má digestão: hábitos e comportamentos”, terei de aprender a comer mais devagar.

Segundo a especialista, uma das principais razões para a sensação de barriga estufada, empalhamento, azia, má digestão, gases, prisão de ventre é o pouco tempo de mastigação do alimento.

“Uma refeição feita em menos de 15 minutos indica que a comida foi mastigada poucas vezes, não ocorreu a quebra mecânica correta do alimento, que vai chegar no estômago praticamente inteiro e causar sensação de estar empanturrada”, explica Marchiori.

Não importa se você cometeu exageros, engolindo uma feijoada, ou se a refeição foi leve, com uma salada de rúcula, tomate, alface e legumes. Se não mastigou o tomate, os legumes nem as folhas direito, três horas depois da refeição, ainda sentirá o peso da rúcula e do agrião no estômago.

Segundo a nutricionista, o ideal é que a refeição demore de 20 a 25 minutos, ocorra de maneira prazeirosa e sem estresse, e os alimentos sejam bem mastigados. Essas medidas ajudam no combate à sensação de empachamento.

Pesquisa sobre dor de estômago

A conversa com a nutricionista Vanderlí Marchiori fez parte do evento de apresentação da pesquisa “Má digestão: hábitos e comportamentos”, que analisa o impacto dos problemas digestivos na vida da população de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Patrocinada pelo fitoterápico digestivo Eparema em parceria com a Associação Paulista de Fitoterapia, a pesquisa tinha como objetivo descobrir como as pessoas se sentem, os principais motivos das reclamações e quais soluções buscam quando o assunto é problema digestivo.

Foram entrevistadas 400 pessoas em São Paulo e no Rio de Janeiro. Algumas das descobertas da pesquisa:

  • 68% dos participantes acreditam que o estresse é o principal causador dos problemas digestivos.
  • A maioria dos entrevistados declarou sofrer de azia, má digestão, gases, barriga estufada, prisão de ventre e empachamento pelo menos duas vezes ao mês.
  • 47% não deixam de comer algo mesmo sabendo que poderá lhe fazer mal.
  • 60% têm sentimento de culpa pelo consumo excessivo, sendo que, deste total, 70% são mulheres.
  • Os sintomas da má digestão impactam na rotina de trabalho e nos momentos de lazer.
  • 90% disseram que poderiam ter uma alimentação mais saudável.

Dicas para não sofrer de dor de estômago

  • Mastigue o alimento diversas vezes antes de engolir
  • Coma mais devagar
  • Coma em menor quantidade
  • Não beba líquidos durante a refeição porque ele dilui o suco gástrico do estômago. Esse suco é extremamente necessário para a quebra dos alimentos no estômago.

O ideal é ingerir líquido 10 minutos antes de comer e 40 minutos depois.

Bom, a regra de não beber durante as refeições não se aplica ao vinho, que, por conter propriedades enzimáticas, reduz a acidez do estômago e colabora na digestão. Uma salva de palmas para os franceses e italianos. Desconfio que a cerveja também tenha essas tais propriedades digestivas. Também uma salva de palmas para o alemães, belgas...

Por fim, mas não menos importante, bebês, crianças e adolescentes também sofrem de azia e má digestão. No caso deles, o melhor tratamento é os pais comerem à mesa, em refeições tranquilas, sem estresse (deixe para perguntar sobre a nota da prova depois) , com calma e regada a boa comida. Porque você já sabe: comida boa muda tudo, até a dor de estômago!

O consumo de medicamentos fitoterápicos deve acontecer com a indicação de um especialista.

Beijos,

Patrícia

5 Comments

Matilde Freitas

Excelente informações … estarei mais atenta ao habitos … estas dicas são preciosas para nós que sofremos com a azia e queimação. Obrigado por compartilhar!!!

Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *