Cozinhar em casa pra quê?

cozinhar-em-casaCozinhar em casa pra quê. Almocei num Sesc, em São Paulo, e quase recebi dinheiro para comer. Comi uma comida boa, bem feita, temperada, balanceada, colorida e diversificada. Paguei R$ 2,55 por tudo. Isso mesmo R$ 2,55.

Foi o almoço mais barato da minha vida. Comi pouco, tinha cerca de 200 gramas no prato, mas mesmo que tivesse colocado mais gramas, teria gastado pouco porque o custo do almoço no Sesc é subsidiado.

Tão barato que temos o costume, aqui em casa, de almoçar no Sesc sempre que a grana está curta. Em geral, pagamos por quatro refeições, com bebidas, sobremesas e cafés ,R$ 33. Isso mesmo. Vale muito a pena.

Daí, me pergunto qual a razão para gastar tempo e dinheiro em supermercado, trânsito, cozinha preparando as refeições em casa, todos os dias, se existem boas opções de comida boa e com preços convidativos?

Cozinhar em casa pra quê quando é possível ter acesso a uma comida boa fora de casa?

Talvez você argumente: Porque cozinhar em casa transmite amor. Sim, concordo plenamente. Mas amor se transmite de outras formas, não?

Talvez você acrescente porque em casa colocamos nosso tempero, definimos o nosso cardápio, fazemos pratos de acordo com nosso desejo e nosso paladar. Sim, concordo plenamente. Quando cozinhamos em casa nos tornamos sujeitos autônomos, deixamos de depender do outro, passamos a desfrutar na nossa liberdade. Porém, cozinhar todos os dias cansa, desgasta e a pia fica cheia de louça, logo essa liberdade culinária tem um porém nada simpático.

Talvez você ainda argumente porque comida caseira tem um tempero que nenhuma outra tem: a memória afetiva.  Argumento perfeito.  É isso. Comida caseira tem cheiro de mãe (ou pai), sabor de mãe (ou pai), voz de mãe (ou pai), gesto de mãe (ou pai). Não consigo deixar de pensar da cena de Anton Ego, o crítico gastronômico do filme Ratatouille, quando ele come o prato do ratinho e imediatamente lembra da mãe.

Cozinhar em casa para sua família vai muito além da nutrição. Atinge outros órgãos, atinge também nosso inconsciente. E, uma coisa triste,  é nunca mais poder comer a comida de alguém que amamos, como sempre dizem minhas amigas Bossa Mãe e Fabiana Dezidério.

Não há chef estrelado nem almoço subsidiado que consiga superar a força dos pratos que guardamos em nossa memória afetiva. Pois bem, coma fora de casa. Almoce quantas vezes puder no Sesc, principalmente, para economizar dinheiro e ter pouco trabalho. Mas, sempre que possível, cozinhe em casa para sua família.

Um beijo,

Patricia

LEIA MAIS sobre pra quê cozinhar em em cozinhar em casa em: Cozinhando para Minha Família e Como se Faz uma Comida Boa.

8 Comments

Fabiana

Tem coisas que estão embaladas no local, no tempo e no espaço. A comida causa, de fato, as melhores memórias. Love u

Reply
Gabis Miranda

Comida, assim como cheiro, me tocam e mexem com minha memória afetiva. É o que mais me causam lembranças, boas, inclusive. Por isso, embora ame comer fora, algumas vezes me arrisco na cozinha para deixar essa herança para meus filhos. Beijo

Reply
Patricia Cerqueira

Pois é, Gabis. Desde que você comentou, isso ficou na minha cabeça e quando paguei 2,55 num almoço muito bom fiquei me perguntando porque raios a gente se lasca pra preparar a comida em casa, porque é um trampo danado. Por uma razão simples e priceless.
bjs

Reply
Milene Massucato

Pat, vou emprestar o livro q a Lelê me deu naquele nosso amigo secreto:
Psicologia Social da Comida, q fala como todo o processo da alimentação tem um fundo psíquico.
Bjo

Reply
Patricia Cerqueira

Oi, Angela.
Almocei no Sesc Pompeia. Tb gosto muito de almoçar no Sesc Belenzinho.
Abs

Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *