Como lidar com a birra infantil na hora da comida

Um dos meus blogs de culinária preferidos é o La Cucinetta. Acompanho Ana Elisa desde os tempos que ela ainda não era mãe. Hoje tem dois filhos. O mais velho tem 2 anos. Acompanho os posts desde o tempo que ela não enfrentava birra de filho, principalmente na hora de comer.

Como lidar com a birra infantilNa semana passada, Ana Elisa fez um delicioso post sobre o assunto: como lidar com a birra de filho na hora de comer. Tudo o que ela escreveu a gente também já disse aqui de um jeito ou de outro. Mas vou reproduzir alguns trechos porque é sempre bom a gente ler ou ouvir a mesma coisa mas de um jeito diferente. Uma hora o nosso cérebro registra a informação.

Como lidar com a birra à mesa

Vê só:

Thomas, que desde as papinhas come temperos fortes como curries e pimentas, não estranhou (a primeira vez que ela fez um prato com pegada indiana chamado Muttar Panneer para o filho). Comeu metade do prato com gosto, mas depois fez birra e não quis sobremesa. Simplesmente tirei o prato dele, lavei suas mãozinhas e deixei que saísse para brincar. Sem estresse.

O que me fez lembrar de quando ele fez birra a primeira vez. E como fiquei maluca com isso. O choro histérico (de mãe e filho), a comida no chão, a colher voando longe, e eu sem entender por que diabos meu filho recusava algo que até o dia anterior ele comera com gosto.

Isso passou.

Não a birra. O drama.

Birras existem e sempre vão existir. Um dia, é sono. Esse é fácil de reconhecer: não quer comer (nem mesmo a favorita e irrecusável banana), não quer beber água, no colo está ruim, no chão está pior. Chupeta e berço. Resolvido. Come um lanche reforçado quando acordar.

Noutro dia, é o dente. Qualquer comida que ofereça a menor resistência machuca. Irrita. Não quer comer, não quer colo e colocar no berço achando que é sono piora as coisas. Choro incessante. Pura histeria. Sofá e desenho. Distrai da dor. Resolvido. Mamãe faz um arrozinho com tomate, bem molinho, gostoso e fácil de comer, de jantar.

Num terceiro dia, é simplesmente falta de apetite. Porque adulto às vezes está sem fome, e olha para a comida e não quer nada. Tem dia em que ele comeu meio pãozinho a mais no café da manhã e na hora do almoço não tem fome. Brinca com o garfo, tira a comida do prato e coloca na bandeja do cadeirão, aperta nos dedos, bota de volta no prato. Comer, nada. Dois bocadinhos, se tudo isso. Ele se diverte, mas não come nada. Sem drama. Tira o prato, deixa a criança sair pra brincar. Lanchinho reforçado depois. Resolvido.

Às vezes, pelo meio da refeição, a birra vem. Brincadeira com a comida, garfo jogado no chão, prato virado ao contrário. Não é sono, não é dente, não é falta de apetite. É frustração. Frustração porque quer comer sozinho mas a mãe não está deixando, ou frustração porque quer comer sozinho mas suas habilidades ainda são parcas e dá muito trabalho colocar o arroz na colher e a colher na boca sem derrubar tudo pelo caminho. Nessa hora, pergunto: “posso ajudar?”, e tento pegar o garfo da mãozinha dele. Se ele deixar, ele come ainda boas garfadas com mamãe ajudando.

Ou, para distrair da brincadeira da comida, de fazer montanha com purê de batata, basta um copo d’água. E, saciada a sede, ele volta a comer.

Ninguém está morrendo de fome, ninguém está desnutrido, ninguém deixa de comer a coisa certa na hora certa. Mas, principalmente, ninguém está estressado: nem mãe nem criança.

Normalmente, a não ser que o atirador de garfos tenha feito muita porcaria com sua comida, simplesmente guardo o pratinho na geladeira e dou de novo no jantar. Quase sempre ele come aquilo que ele recusou no almoço. Principalmente se eu, espertalhona, jogar algumas uvas-passas no meio (que o bicho adora) para abrir-lhe o apetite.

Então deixo aqui essas duas dicas (a segunda você pode ler no blog dela, que é uma delícia de ler e de fazer as receitas, inclusive essa que ela indica). Claro, nem toda criança é igual. Mas birra de criança na hora de comer irrita qualquer mãe. Se você começou a lidar com isso pela primeira vez, a primeira dica: não estresse. Quanto mais irritada você ficar, mais a criança vai captar essa irritação e responder a ela. Não quer comer, não come. Come depois. Come amanhã. De modo geral, criança com fome come. A não ser que ela esteja incomodada com outra coisa (sono, dente, fralda cheia, etc…) ou que a comida seja difícil de ela comer (alface para quem não tem molares, por exemplo). Thomas detestava feijão quando menor, porque não conseguia triturar a casca do feijão e se engasgava. Hoje come qualquer tipo. Ainda não é fã de grão-de-bico, que é mais firme. Num dia ficou irritado por não conseguir comer milho. Na semana seguinte, andava por aí com a espiga na mão, metendo-lhe os dentinhos.

E sim, no dia seguinte, Thomas comeu todo o seu mutaar paneer.”

Viu como lidar com a birra dos pequenos?! Muito mais simples do que parece, né? Mas a gente sabe que não é simples nem fácil. Mas é totalmente possível sem precisar recorrer a industrializados sempre.

Beijos e boa semana,
Patricia

 

PS: Além de escrever bem, cozinhar bem, Ana Elisa desenha super bem. A aquarela que ilustra esse post foi feito por ela e você encontra AQUI.

8 Comments

Sabrina

Amei….. tenho dois filhos e os dois fazem birra…. e olha que um tem 9 anos e o outro de 1 ano. O mais velho, sente dores na barriga e as vezes chega até a fazer ânsia… fizemos vários exames e nada… simplimente não quer comer. O problema que essa história que criança com fome come, com o meu filho mais velho não cola…. por ele passa o dia inteiro sem comer… O mais novo tem tudo haver com o texto… mas prometo não me estressar mais… Abraços e parabéns pelo blog…. Passarei sempre por aki.

Reply
Heidi

Um texto bem oportuno para mães que batem de frente com a birra dos filhos. A calma no momento sempre é a melhor solução. Parabéns!

Reply
Mãe Consumista

Parece que li esse artigo na hora certinha, li ontem e neném resolveu fazer greve de fome hj. Acredito que são os dentinhos, pois ela está salivando muito e bem irritadinha, pecado. Que bom que li esse artigo e estou na calma… No almoço ela não quis almoço e pediu nana (banana), beleza, agora na janta também não quis, quis a nana de novo. Pode comer nana que faz bem a saúde e deixei minha preocupação de lado, pois ela fez greve outras vezes, geralmente qdo viajamos e fiquei super preocupada, ah, ela tem q comer, não vai crescer bem, blablabla, bom ler essas coisas e saber que tem que levar a vida na boa, inclusive na hora da refeição, pois assim como a neném eu hoje estou num dia que tbm não estou com vontade de comer algumas coisas…

Reply
mariana gomes de oliveira

Meu Deus me ajuda estou desesperada meu filho de quase 3 anos não quer comer de modo algum e esta se sustentando apenas com o lanche da escola, que sempre mando fruta suco e um biscoito, e a noite uma mamadeira p dormir, é birra pirraça, bate em mim joga a comida no chão, se machuca é um cenário de guerra e eu entro em desespero de perder as forças e acabo gritando o que sie que não é certo, ja tentei de tudo, ate deixar com fome e nada,me socorram por favor.Me mandem algum material por favooooorr

Reply
Patricia Cerqueira

Oi, Mariana.
Puxa vida! Que cenário terrível mesmo. Acho que a primeira coisa a fazer, caso possa, é procurar uma nutricionista infantil para te orientar. Caso não seja possível ou até a consulta, algumas medidas podem te ajudar:
1) Tente identificar quando essa fase começou; que dia começou; o que aconteceu nesse dia. Identificar/determinar quando esse estresse iniciou vai te ajudar muito a enxergar com mais clareza as causas da birra. Importante destacar que a birra é a última etapa de uma série de sinalizações que a criança demonstra antes. A birra não surge do nada. O comportamento da criança vai mudando até explodir em forma de birra;
2) A birra, desta forma, só acontece durante a hora da alimentação? Você já se perguntou por quê? Parece que, quando vc está longe, na escola, ele come. Aconteceu algo contigo, como ficar grávida, para acontecer esse estresse? Veja que, de novo, estou te sugerindo localizar/descobrir quando e a razão do início da tensão nas refeições. Muitas vezes pode ser algo que não esteja relacionado à alimentação, mas ele identificou a hora da comida e a rejeição a ela a maneira de chamar a sua atenção e de manifestar insatisfação.
3) Tire o foco da comida. Coloque o foco no prazer de estar à mesa com ele. Se ele não quiser comer, não insista nesse assunto. Mude o interesse. Pergunte sobre a escola, se ele brincou no tanque de areia, se usou tinta, se brincou com o amiguinho Xis. Temos de ser bem específicos com as crianças pequenas. Uma pergunta vaga como se foi legal na escola, a resposta será igualmente vaga.
4) Você determina a hora da refeição, o cardápio e onde é o local de comer. Ele determina quanto deseja comer. Ou seja, deixe ele colocar a comida no prato, mesmo que isso signifique bagunça.
5) Ele gosta de bolacha? Então, que tal fazer bolachas caseiras com ele? Nesse momento, o mais importante é seu filho se aproximar da comida, então, se preocupe menos em fazer biscoitos/bolachas saudáveis e mais em trazer seu filho para perto dela.
6) Por fim, crianças com alergia alimentar morrem de medo da comida porque os alimentos causam dor. Então, é muito comum crianças alérgicas rejeitaram comida. E a alergia alimentar pode se manifestar depois de alguns anos. Por isso, é importante fazer exames para afastar esse possibilidade, mesmo que o pediatra minimize. Insista. Você é quem sofre com seu filho.
Espero ter te ajudado. Força e fé!
Beijos,
Patricia

Reply
Bruna

Olá! Não sei o q fazer,tenho dois filhos, e todas as vezes na hora das refeições, eles começam a brincar com brincadeiras tolas o tempo todo e chegam até a parar de comer, se eu deixar eles, ficam o tempo todo assim e não adianta chamar a atenção que eles não param. Já cortei computador, vídeo game, bicicleta e eles nem sentem.o q fazer? 😢um tem 4 anos e o outro 8.

Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *