Alergia alimentar parte 3: sobre responsabilidade e consciência

Dois momentos das palestras sobre alergia alimentar me surpreenderam.

O primeiro foi quando a dra. Renata Ruocco, pediatra alergista da Unifesp e do Einstein, explicou que nem sempre o organismo vai provocar uma reação exacerbada no primeiro contato com alimento. Mas esse primeiro contato sempre vai sensibilizar o organismo, que estará atento e numa segunda oportunidade bummmm!

Ela exemplificou esse primeiro contato de sensibilização com o que chamou de “mamadeira assassina”:

O recém-nascido, sabe-se lá por qual motivo, recebe no berçário da maternidade uma mamadeira com fórmula de leite de vaca. Ninguém na maternidade pergunta para a mãe se alguém da família do bebê é alérgica ou se a família autoriza dar o leite. Aliás, enfermeiras e médicos sequer nos avisam que dão leite aos nossos filhos.

“Pois é. Daí, a criança bebe aquela mamadeira assassina. Passa os seis meses seguintes apenas no leite materno e quando começa o desmame e tem contato com leite de fórmula de vaca, pronto, está sensibilizada e vai começar a ter reação. Temos uma grande briga com as maternidades para que antes de dar qualquer leite deveriam passar um questionário para a família sobre o risco de alergia”, disse a médica.

Nunca tinha pensado nisso. Ainda bem que alguém pensa (hehe). E é muita verdade, gente! Antes de ir dando a mamadeira de leitinho porque o leite da mãe não desceu e sem pensar que esse leitinho vai apenas matar a fome e não vai provocar nenhuma reação, que tal ir além e pensar nas consequências? Hello, maternidades!

Outro dado que me deixou, bah, tché, surpresa, foi quando a Dra. Raquel Bicudo explicou onde os principais alérgenos podem se esconder. O exemplo abaixo é para o leite:

Lista de sinônimos: (se você ler os seguintes nomes nos rótulos de alimentos, saiba que tem leite)

¤Caseína

¤Caseinato

¤Lactoalbumina

¤Lactoglobulina

¤Lactulose

¤Lactose

¤Proteínas do soro

¤Soro de leite

¤Whey protein

Ingredientes que podem conter leite na composição: Aroma de queijo; Sabor de manteiga; Sabor caramelo (Oi? Como assim?); Sabor creme da Bavária; Sabor creme de coco; Sabor de açúcar queimado (Hei?, Desculpe, como assim?); 

Onde o leite pode estar escondido? (Ah, seu danado!)

¨Preparações que utilizem margarina (produto que muitas vezes tem leite na composição).
¨Frios fatiados na mesma máquina em que foi fatiado queijo.
¨Chapas ou formas que tenham sido untadas com manteiga ou margarina contendo leite.
¨Utensílios, como pegadores ou facas que tenham sido utilizados em produtos contendo leite.
¨Liquidificador mal lavado. (Sabe liquidificador de padaria, onde o povo só passa água depois de bater a vitamina? Então é ali que é feito o suco de maracujá que seu filho toma e depois fica todo perebento.)
¨Preparações Fritas em óleo comum à outras preparações contendo leite ou derivados.

A dra. Raquel contou o caso da padaria que colocava leite em pó na massa do pão francês para ficar mais fofo e não avisava os clientes. Pode colocar o que quiser, mas avisa, pô! Alergia mata, c******!
Tanto a dra. Renata quanto a dra. Raquel repetiram várias vezes que o laboratório onde trabalham, na Unifesp, tem uma longa “briga” com a Anvisa sobre a necessidade de transformar em lei a obrigação das empresas alimentícias em colocar no rótulo frases como Contém leite, Contém Ovos. Tal qual a Contém Glúten.
A situação é série: estima-se que 6% das crianças tenham alergia a algum alimento. Vamos fazer uma conta: segundo o IBGE, há cerca de 33 milhões de crianças de até 9 anos de idade.  Se cerca de 6% têm alguma alergia alimentar, significa que 1,980 milhão podem ter alguma alergia alimentar. Será que não merecem atenção no rótulo?

 

Aliás, as empresas poderiam ser pró-ativas (Hello, empresas!) e incluir essas frases no rótulo. Se são empresas que pensam mesmo no consumidor, poderiam dar um passo além da lei, certo? Só pra gente não ficar com a sensação de que elas pensam só nos lucros!! kkkk.

O que falta é pró-atividade. A começar pelo poder público.

Para sensibilizar esse setor que bancamos com nosso dinheiro haverá no dia 10/07, às 15h, a caminhada: Eu não posso tomar leite.

Local: Aterro da Praia de Iracema, Fortaleza_CE

Quem está divulgando é a Aretusa, do docedesophialeite.blogspot.com

Eles estão pedindo para os participantes irem de camisa branca e levarem balões brancos.
“A idéia da caminhada é do grupo do orkut Meu filho tem ALV (Ceará) http://www.orkut.com.br/Community?cmm=98855381 e do grupo APAACE http://www.apaace.com.br. Tem como objetivo a divulgação do problema “Alergia Alimentar” e chamar atenção para a alergia ao leite de vaca e a necessidade de tratamento e acesso às fórmulas especiais, garantidos por lei”, disse a Aretusa em nossos comentários.

Se estiver por lá, participe. É uma causa pela qual vale a pena fazer parte!

Se precisa de mais informações sobre alergia alimentar, acesse: www.girassolinstituto.org.br

É isso.

Beijos,

Patricia

4 Comments

Fabiana

Parabéns, meninas pelos excelentes posts de alergia.
A gente sempre aprende mais um pouquinho e vê que com alergia alimentar (ou qq outra alergia) não se deve brincar.
Esse blog é uma delícia de acompanhar.
Continuem assim.

Bjos.

Reply
Juliana

Excelente post, vou recomendar! Só uma correção, a alergista da Unifesp se chama Renata Cocco. É alergista da minha filha, e acertou a dieta depois do pessoal do HC só ter dado bola fora.

Reply
Angelita

Adorei o blog e seus comentários sobre alergia alimentar, sou mãe de Mariana, 4anos alérgica ao leite de vaca e ovo. Passo horas no supermercado lendo rótulos!!!
Gostaria de saber onde consigo mais informações sobre a tal “palestra sobre alergia alimentar”.Obrigada desde já e parabéns !!

Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *